Share |

Celme Tavares, candidata a Santa Joana

Celme Tavares

Celme Tavares, 39 anos, Funcionária Pública, é a primeira candidata do Bloco de Esquerda à Assembleia de Freguesia de Santa Joana.

Licenciou-se em Ciências da Comunicação, tendo em 2011 obtido o grau... de Mestre em Comunicação e Multimédia pela Universidade de Aveiro. A formação na área da comunicação sempre a acompanhou no seu percurso profissional, tendo entre outros, colaborado com o Cine-Clube de Avanca na área do audiovisual ou colaborado na organização de festivais na área do cinema e divulgação científica de carácter internacional. Desempenha há cerca de uma década funções de Técnica Superior na área de gestão académica e organização de eventos de carácter científico na Universidade de Aveiro.

Aderiu ao Bloco em 2008 e integra a Comissão Coordenadora Concelhia de Aveiro do Bloco de Esquerda. No presente mandato assumiu por vezes, em rotação, o lugar de deputada municipal. Ligada a movimentos e associações na área dos direitos humanos, debate-se por políticas de igualdade e não discriminação de minorias.

Esta candidatura do Bloco de Esquerda a Santa Joana prende-se com a necessidade de criar novas formas de acção, numa das maiores, mas mais fechadas e sem referência freguesias do município de Aveiro. Torna-se fundamental a transparência e a chamada da população à participação e ao espaço público, ao debate de todos os projectos, mas também nas tomadas de decisão.

Nestes últimos anos, a Junta de Freguesia demonstrou ser incapaz de dar respostas sociais, económicas e culturais atendendo à diversidade das necessidades dos seus habitantes.

A candidatura defende “uma urgente resposta social no combate à pobreza e exclusão, ainda mais agravada com a crise, nomeadamente no que se refere a uma politica social de habitação”. Defende ainda “uma política educativa e cultural participativa e inclusiva, que reflicta todas as necessidades e anseios”. Considera “os transportes públicos um factor essencial à qualidade de vida, à mobilidade eficaz na relação da freguesia com a cidade”. “A Junta de Freguesia aceitou que Santa Joana seja uma freguesia contígua ao centro da cidade, mas mal servida por transportes públicos, estando assim completamente descontextualizada da realidade da sua população”, refere. Propõe assim “ uma verdadeira política de mobilidade e urbanismo, bem como a criação de espaços públicos de lazer e de desporto em diferentes locais da freguesia e descentralização de serviços e equipamentos”.